Os LED’s irão substituir em 100% as lâmpadas elétricas tradicionais?

Essa seria uma pergunta recorrente ou apenas uma afirmação questionável?

Atualmente muitos pesquisadores de grande influência no ramo de iluminação tem escrito sobre temas nos quais convergem a esse questionamento.
Segundo Mauri Luiz da Silva, um grande especialista em iluminação, afirma que as lâmpadas tradicionais possuem 2 tipos distintos, que ambos buscam “imitar” a natureza, as incandescentes se assemelham ao Sol, já as de descarga foram inspiradas nas descargas elétricas dos Raios que ocorrem em tempestades.
Todos sabem que a luz solar possui em seu espectro grande quantidade de raios infravermelhos e ultravioletas, os ultravioletas são nocivos à saúde, por outro lado, os infravermelhos fazem muito bem para a sobrevivência das espécies que habitam o planeta Terra. Pois eles são os maiores responsáveis pelo transporte de ondas de calor, elas que de fato aquecem a superfície terrestre.
Hoje em dia, muitos vendedores de LED’s gostam de afirmar como uma grande vantagem do LED em relação às lâmpadas tradicionais, que ele não emite ultravioletas e infravermelhos. A não emissão de ultravioletas, realmente é uma vantagem sensacional, pois em lojas de roupas e acessórios não ocorreria o desbotamento da tinta das peças, assim como outras diversas vantagens em diversos ambientes comerciais, residenciais, entre outros.
Porém com a falta de infravermelhos, o LED deixa de ser útil em muitos ambientes nos quais necessitam ser aquecidos, tais como estufas pré-natais, culturas orgânicas, utilização para experimentos em laboratórios, até aos biomas que dependem de aquecimento na parte noturna. Infelizmente, o LED tem uma vantagem competitiva gigantesca em relação ao consumo energético, dessa maneira ele vem substituindo já muitas lâmpadas tradicionais nas quais deveriam ser evitadas de serem trocadas.
Por fim, as substituições de 100% das lâmpadas tradicionais podem de fato ocorrer, mas isso acontecerá de maneira equivocada, buscando a redução de custos e gerando outros problemas que ainda não foram profundamente pesquisados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *